Ma vie en rose

De frente, de lado, de costas. En France.


quinta-feira, fevereiro 12, 2009

O que é isso, companheiro?

Grande parte das universidades francesas estão se mobilizando para uma greve sem previsão nenhuma de término, uma das mais graves e com mais adesões desde Maio de 1968, segundo aposta-se por aqui.

Os professores e estudantes (sim, pasmem, os estudantes também promovem greve e bloqueiam as universidades aqui) têm uma série de reivindicações que quase ninguém está por dentro, há não ser os líderes do movimento grevista. Mas, resumidamente, reclama-se do que eles chamam aqui de "masterização" dos estudos, ou seja, a universidade está cada vez mais voltada para a profissionalização e menos para a pesquisa. Os estudantes saem da faculdade, mas precisam finalizar os estudos com os mestrados profissionais, caso contrário, não conseguem emprego. Além disso, os professores são mal pagos e os alunos se sentem prejudicados pela reforma universitária que o Sarkozy quer instituir, o que extinguiria certos setores que o governo considera desnecessário, limitaria o número de bolsas de estudo e projetos voltados para a pesquisa, e mudaria, de certa forma, foco das universidades já que a intenção do governo é guiar o aluno para o mercado de trabalho.

Há quase um mês, o setor universitário e científico se mobiliza, promove congressos e realiza manifestações. Há duas semanas, não temos mais aulas "formais", com o conteúdo previsto para o semestre. Os professores aproveitam do horário da grade curricular para conversar com os estudantes sobre a greve, para explicar os verdadeiros motivos e para tentar nos engajar no movimento grevista. Achei bem proveitoso e justo esse diálogo aberto com os alunos, as exposições sobre o contexto histórico e a explicitação das razões de paralisação. Antes sermos informados de toda a movimentação e sermos chamados a participar, do que chegar na universidade e dar de cara com as portas fechadas – situação que eu já vivenciei tanto no Brasil como aqui na França.

Em uma das aulas, os estudantes do movimento pediram a palavra e discursaram quase uma hora sobre seus interesses, pedindo a nossa participação para os eventos das próximas semanas. E eles já estavam até me convencendo da minha responsabilidade, como estudante, de apoiar a paralisação. Porque, embora eu não me sinta completamente integrada à sociedade francesa, e nem tenha as mesmas obrigações de um cidadão francês, eu tenho noção da posição que eu ocupo, que nada tem a ver com nacionalidade ou origem, mas com consciência. E eu estava disposta, sim, a ir aos debates e representar minha unidade.

Mas fiquei surpresa com a maneira como foi tratada uma estudante que opinou que achava injusto que os professores bloqueassem nossas notas do primeiro semestre como forma de pressionar o governo. Muitos alunos dependem de seu desempenho para continuarem seus estudos em outros países ou mesmo fazer estágios aqui na França. Uma das professoras respondeu de maneira extremamente impositiva e antipática e deixou bem claro que os insatisfeitos que se resolvam. Logo depois, outra estudante disse que se preocupava com o prejuízo dos conteúdos, que não serão completamente recuperados, logo após o fim da greve. Um dos estudantes militantes se alterou e respondeu que era muito egoísta que a garota continuasse pensando em aulas diante de tudo o que estava acontecendo, e que se ela estivesse tão preocupada com o cumprimento do programa, que fosse estudar sozinha.

Ao que me parece, cada um está voltado para seu próprio umbigo e ninguém consegue enxergar além de seus próprios interesses, pensando somente naquilo que lhe convém. Ou seja, os estudantes são bem-vindos para participar da greve, mas não podem reivindicar seu direito mais básico, que são seus estudos. É obvio que existe a preocupação com o conteúdo; e se fosse para estudar por conta, seria muito mais cômodo extinguir todas as universidades que cada um faria sua parte sentado no seu sofá, em casa.

O que mais me irrita no militantismo, seja aqui na França, no Brasil ou em qualquer outra parte do mundo, é o fanatismo como os integrantes de movimentos enxergam as coisas, acreditando que as únicas soluções, que não coincidentemente são as encontradas por eles, devem ser ditatorialmente impostas. Eles não se dão conta que, agindo desta forma, eles caem no mesmo erro de abuso de poder e injustiça praticados por aqueles aos quais criticam. E aí direita, esquerda, prós e contras, governo e manifestantes, vão todos para o mesmo saco. Que saco!

Diante de tudo isso, resolvi me abster já que eu não sinto que eu tenha responsabilidade nenhuma com esse tipo de movimento, com esse tipo de gente, com esse tipo de atitude desdenhosa. Sou contra, sim, às medidas do Sarkozy de limitar a pesquisa e de focar os estudos ao mercado de trabalho: puro desperdício de todo um histórico, potencial, consciência e predisposição que os estudantes e professores têm para a pesquisa aqui. É evidente que um país nao segue em frente sem a manutenção da sabedoria e a evolução de seus pesquisadores. Mas diante de uma disparidade como essa que relatei, resolvi seguir a sugestão do "companheiro" e ficar em casa, estudando por conta própria.

4 Comments:

  • At 12:03 PM, Blogger Cíntia Freitas said…

    Sempre que ouço ou leio sobre greves e manifestações acabo um tanto mais desapontada com as pessoas, de um modo geral.

    Me parece que por mais que as intenções sejam ótimas, sempre há uma ponta de egoísmo ou auto afirmação no meio da história, entre aqueles que se dizem revolucionários. É triste admitir, mas muitas vezes o ditado popular se faz real: se quer algo bem feito, faça vc mesmo.

    No seu caso específico aí, é difícil tomar uma posição e entrar na briga de fato. Ainda mais quando nota-se que alguns detalhes estão sendo voluntariamente esquecidos. Provavelmente eu faria o mesmo que você. Difícil.

     
  • At 4:48 PM, Anonymous Rafa said…

    adorei o texto dany. eu desisti do movimento estudantil em 1998, quando, numa discussão na faculdade de direito, tinha que fazer inscrição pra falar. desde lá preferi me dedicar ao glamour... Acho que fiz a escolha correta.

     
  • At 1:21 AM, Blogger Chantinon said…

    Assista “Quando explode a vingança” do Sérgio Leone...

    Essa baboseira ideológica é pura e simples guerra hormonal como a dos torcedores de futebol. Chega uma hora que eles nem sabem pq estão brigando.

    É tudo do mesmo saco.


    Mas temos que participar sim...

    Um exemplo que tenho é de uma empresa do governo aqui...
    Os funcionários tinha um maravilhoso restaurante dentro da empresa. Mas o sindicato resolveu que o correto seria cada funcionário receber seu ticket e comer onde quisesse.
    Como ninguém levou essa proposta a sério... quando houve a votação, só os sindicalizados e politizados estiveram presentes na votação.
    O restaurante foi fechado.
    Os sindicalizados ficaram felizes pq agora podiam sair para almoçar fora com seus tickets, e torrar todo o mês de tickets em botecos.
    Se a tarde o expediente já era perdido, depois disso... muitos chegavam bêbados, e os bons funcionários agora tinha que caminhar no sol nordestino por mais de 1 quilômetro para almoçar e com uma qualidade inferior.

     
  • At 10:36 PM, Blogger hires héglan said…

    eu odeio exatamente isso nas manifestações... teve uma vez que briguei feio com pessoas do dce justamente por causa do radicalismo, falta de consciência de que existem outras opiniões e falta de consideração de que, assim como eles tem o direito de se manifestar, todo mundo tem... que tal a gente montar uma guerrilha? hehehe
    beijoooo

     

Postar um comentário

<< Home