Ma vie en rose

De frente, de lado, de costas. En France.


quinta-feira, junho 18, 2009

A liberdade profissional no âmbito da culinária

Um revisor de uma empresa onde eu trabalhava tinha sempre essa frase no msn dele: "Estou aqui, mas não estou". Passei o um ano e meio que eu trabalhei lá tentando desvendar esse mistério da ausente presença online do tiozinho.

Tudo isso só pra dizer que estou na mesma que ele. Depois de um mês de desespero "preciso entregar minha dissertação", estou de volta. Mas não estou porque, reflitam com a tia: o que a gente faz depois de entregar um puta de um trabalho fodido de um ano ralando a caixola que vai ser apedrejado por uma banca de professeurs pós-dotôzinhos que desprezam estudantes de mestrado?

A gente senta e escreve um outro projeto de dissertação para o próximo ano. Porque a vida é fácil como um pacotinho de Nissin Miojo. E eu tive a sorte de escolher um mestrado onde eu tenho que apresentar duas dissertações.

[Palmas para mim]

Obrigada.

E agora alguém me responde o que eu estou aqui fazendo na França estudando Communication et Information, gastando o que eu não tenho, criando rugas atras desse computador que já começa a mesmo se negar a ligar quando vê minha lata se... eu podia estar na terra brasilis sendo cozinheira, profissão comparada à do jornalista pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes.

Meldels. Alguém tem uma explicação coerente para isso aqui ?

"'Quando uma noticia não é verídica ela não será evitada pela exigência de que os jornalistas frequentem um curso de formação. É diferente de um motorista que coloca em risco a coletividade. A profissão de jornalista não oferece perigo de dano à coletividade tais como medicina, engenharia, advocacia nesse sentido por não implicar tais riscos não poderia exigir um diploma para exercer a profissão. Não há razão para se acreditar que a exigência do diploma seja a forma mais adequada para evitar o exercício abusivo da profissão'.

Mendes chegou a comparar a profissão de jornalista com a de cozinheiro. 'Um excelente chefe de cozinha poderá ser formado numa faculdade de culinária, o que não legitima estarmos a exigir que toda e qualquer refeição seja feita por profissional registrado mediante diploma de curso superior nessa área. O Poder Público não pode restringir, dessa forma, a liberdade profissional no âmbito da culinária. Disso ninguém tem dúvida, o que não afasta a possibilidade do exercício abusivo e antiético dessa profissão, com riscos eventualmente até à saúde e à vida dos consumidores', disse."

Jornalistas, bora pra cozinha!

E me avisem quando abrir inscrição para faculdade de motorista, per favore, que a concorrência vai ser das brabas!

(é isso? ou intindi errado?)

6 Comments:

  • At 3:09 PM, Blogger Di said…

    a Dany está de volta!
    Ebaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.... \o/

    Sobre o mestrado: Continue estudando e se esforçando, estudar nunca é demais. Mas não deixe de ajudar o mundo a ficar mais phino e compartilhar dessa vida linda e cor-de-rosa que tu tens!

    Sobre a decissão ridícula do STF: Prefiro nem comentar muito sobre o assunto, pois estou mega irritado. Como eles podem julgar algo que é valido ou não, sendo que muitos deles, nem faculdade tem, nem nosso presidente tem. Acho uma falta de respeito com as pessoas que optam para uma graduação da comunicação e passam anos estudando isso. Como atuante na área da comunicação, sinto muito, mas bola pra frente, a gente é muito mais do que um diploma, pois quem faz o profissional é o profissionalismo.

    Adorei tua volta querida!

    Beijão e bom restinho de semana...

     
  • At 4:42 PM, Blogger Monica said…

    Do kibeloco.com: Se não exigem diploma para presidente, por que exigir para jornalista? :D

     
  • At 7:37 PM, Blogger Trevas said…

    Oi Dany.
    Sugestão de blog sobre o assunto: www.acozinhadogilmar.blogspot.com. Eu jé me candidatei â vaga de chef do Sheraton, afinal de contas eu sei fritar ovo.

    bjs

     
  • At 3:26 PM, Blogger Chantinon said…

    Pelo nível dos textos e títulos expostos em jornais, sites (sites, portais, blogs... tudo isso virou um campo de guerra numa tentativa de mostrar quem consegue ser mais fútil) e até livros, duvido que uma graduação mudaria o lixo que se escreve mundo afora.

    Parece que se vc não se moldar ao lixo, será taxado de elite, e nos dias de hoje, ser elite é correr risco de vida.

     
  • At 7:48 PM, Blogger Alice said…

    é Dany, eu (des)entendi a mesma coisa que tu...

    acho a comparação digna de sentar e chorar no cantinho.

    é soda! =/

    mas não desiste guria!

     
  • At 7:03 AM, Blogger Sônia said…

    No começo fiquei tri chateada(SE HOJE TUDO PODE, EU SOU CATARINA, MAS POSSO FALAR COMO OS GAÚCHOS),depois pensei:é igual, quando alguém pergunta a idade--54 anos, respondo eu ---e a criatura---Meus Deus, não parece(nesse momento, eu entro em alfa,me sentindo imortal--vai dizer que eu tenho 35, qual o quê....a senhora parece ter 50;volto ao mundinho real:faz diferença?Portanto, , filha, depois do mestrado--doutorado--isso faz diferença.

     

Postar um comentário

<< Home