Ma vie en rose

De frente, de lado, de costas. En France.


terça-feira, maio 12, 2009

Dos pleonasmos acadêmicos

Quase tive um piripaque quando vi o tema do examen de ontem. Geinteim, acho que vou largar o Jurnalixmo de vez e virar vidente. Não trago seu amor de volta em 10 dias, mas adivinharei o assunto de suas provas. Mas não venha me pedir a solução delas que eu estou tentando até agora encontrar a resposta da minha.

E eis que resolvi compartilhar as alegrias da tarde de ontem com as 0+2* pessoas que leem este blogue. (atualização feita depois das manifestações da Monica e da Mari)

Professor bonzinho entrega meia página (porque todo bonzinho é ecológico, né) com a maior cara de safado do continente europeu. Por aí, senti que vinha mèrde pelo caminho. Só pensei: te acalma e segura na mão de deus.

O CONTIÚDO do papelzinho escabroso:
(não sei se a tradução original é a mesma, deixemos bem claro que foi moi quem traduziu)
..........................................................................................
M1 SIC - 2008-2009
Cours Techniques d'information et communication

Em Lector in fabula, Umberto Eco escreve: "Um texto é então um tecido de espaços brancos, de interstícios a preencher, e este que o emitiu previa que eles seriam preenchidos e os deixou em branco por duas razões. Primeiro porque um texto é um mecanismo preguiçoso (ou econômico) que vive sobre os sobre-valores dos sentidos qui são introduzidos pelo destinatário; e é somente em casos de extrema especificidade, de extrema preocupação didática ou de extrema repressão que o texto se complica através redundâncias de especificações posteriores – até o caso limite onde são violadas as regras de conversões normais (…) Nós havíamos dito que o texto postula a cooperação do leitor como condição de atualização. Nós podemos dizer isso de uma maneira mais precisa: um texto é um produto cuja interpretação deve fazer parte de seu próprio mecanismo criativo: escrever um texto significa colocar em prática uma estratégia da qual fazem parte as previsões dos movimentos do outro – como toda estratégia." (ECO, 1985, P.64 e 65)

Afirmar que um texto é interativo é, então, um pleonasmo*?


* Pleonasmo: expressão ou palavra que repete, voluntariamente ou não, uma idéia já emitida.

..........................................................................................

Óin, que amor. Ainda bem que ele explicou o que era pleonasmo, senão como eu iria responder a questão?

Quando cheguei em casa, mostrei o papelzinho escabroso do professor sádico para petit-ami e ele me olhou com uma cara de terror. "O que tu fez?", me perguntou.

- Respondi em três páginas e meia.

E ele fez uma cara mais assustada ainda. Não sei se impressionei pelo positivo ou pelo negativo. Nem quero saber porque tenho medo, muito medo, das duas possibilidades.

5 Comments:

  • At 5:43 AM, Anonymous Monica said…

    Primeiro, coloca 0+1 aí nas pessoas que leem teu blog, porque eu leio. Ou eu não conto? (ok, não precisa responder). Google Reader me ajuda a manter a leitura de todos os blogs preferidos sempre em dia.

    Segundo, agora tive a certeza absoluta de que prefiro uma prova com o enunciado "Prove que 0 + 0 = 0". Definitivamente.

     
  • At 1:49 PM, Blogger RodOgrO said…

    hahahhahahah

    Minha resposta:

    "Sim."

    Porque também sou bonzinho e ecológico. \o/

     
  • At 3:45 PM, Blogger Mari Thomé said…

    0+1,++
    Que burra que eu sou. Não entendi nada... Serve de consolo?

    Não sou tão pontual com minhas leituras, mas sempre tento comparecer. Conto como leitora tb?

    Beijos!!

     
  • At 12:15 AM, Blogger Kallil said…

    Ôxe; tô torcendo por ti.
    Te juro que eu ia desenhar algo como uma folha de maconha no canto e devolver a prova.

     
  • At 10:39 PM, Blogger Criz Azevedo said…

    Cuma?

     

Postar um comentário

<< Home