Ma vie en rose

De frente, de lado, de costas. En France.


quarta-feira, julho 19, 2006

Io non ho paura

Tu queres saber do que eu tenho medo? De barata, de filmes de terror, da Samara de “O Chamado”, de Linda Blair em “Exorcista”, de sangue, de ser burra, de voltar a morar em Tubarão, de fenômenos e histórias paranormais, da voz do “The Number of the Beast” do Iron Maiden e da risada de Thriller de Michael Jackson, de aniversários (e especialmente a parte em que cantam “parabéns pra você”), de ser assaltada (novamente) mas, especialmente, de perder minha mãe e meu irmão. Talvez esse último medo seja o mais grave e, com certeza, é o mais aterrorizante. E que eu evito de pensar, e até nem sei porque estou escrevendo isso aqui mas, enfim, veio bem a calhar e agora não tem mais volta porque este texto já foi publicado. Porque registrar é confirmar; e admitir meus medos é pior que reconhecer meus erros. E tu não sabes disso, mas eu não erro jamais.
É sério que tu achas sinceramente que, depois de eu ter passado uma infância reprimida, uma adolescência enclausurada, ter sido a esquisita do colégio, a problemática da família, a incompreendida dos amigos, vivesse/falasse/escutasse/conhecesse/quisesse/fizesse coisas que ninguém tinha a menor idéia do que se tratava, e só ter conseguido respirar um pouco depois de ter vindo pra essa cidade – que também é uma bosta, mas é melhor do que antes – e ter enfrentado a separação dos meus pais, a depressão da minha mãe, o alcoolismo do meu pai, estar longe do meu irmão quando ele mais precisou de mim, ter visto partir quem eu considerava ser “a pessoa” da minha vida e, mais recentemente - em ordem cronológica (preciso falar em ordem de importância?) -, ter saído do meu melhor emprego, ter visto meu pai morrer de câncer, ter perdido meu namorado e grande parte dos meus amigos, e ter recomeçado tudo do zero dois meses depois, mas estar aqui, de pé, agora, tu achas mesmo que, depois de tudo isso, eu realmente teria medo de me apaixonar?

"Wonder more
Want more than we did before
Try the new tease
Well, quiet you
Get over me
The shit is running and it runs deep"
(Way Out - Yeah Yeah Yeahs)

7 Comments:

  • At 9:10 AM, Blogger OgrO said…

    Hah! Na verdade eu sei que você nunca erra! ;) Eu também não! Só não sei como pode isso, considerando que temos opiniões divergentes com relação a tanta coisa! rssss

     
  • At 10:17 AM, Blogger Dany Franco said…

    Ai, arianos!
    Que história é essa de divergirmos, Rodrigo Meireles Costa? Tu sempre acaba concordando comigo no final, lembras?

    :*

     
  • At 1:41 PM, Anonymous Rubra said…

    Adorei o modo como tu escreveu...me lembrou uma locomotiva desenfreada ;) (isso foi um elogio).

    Incompreendidos do mundo, uni-vos!

    Beijo!!

     
  • At 2:03 PM, Blogger Dany Franco said…

    Só Morrissey e Rosana me entendem! :D

     
  • At 6:29 PM, Blogger Jujuba said…

    a parte de ser a esquisita da familia era mentira, vc era minha idala heheh, todos me diziam que a Dany era inteligente, a Dany era a mais legal, a DAny gostava de man at work e por ai vai rsrss

     
  • At 10:34 PM, Anonymous t0in said…

    Continua esquisita com suas saias de celofone, 2 horas de pistra e esse jeito de revoltada.

    :D

    Ahhh! Uma coisinha: soubesse de algum decreto que ordena que todos os cinemas devem ter uma cópia dublada dos filmes estrangeiros? Poisé, parece que tem isso agora. Então em tubarão só tem filme DUBLADÃO (só pra rimar). A bostinha não tem dinheiro pra bancar 2 cópia dos filmes, então só adquire a dublada.

    HAHAAHAHAHAHA

     
  • At 10:37 PM, Anonymous t0in said…

    Continuando:

    Projeto de lei quer dublar filmes estrangeiros nos cinemas

    Revoltante, né?

    OBS: pistra = PIASTRA!

     

Postar um comentário

<< Home